A corrida faz bem e faz-nos sentir bem: corpo relaxado, cabeça limpa, alma cheia, sentimento de dever cumprido, e de menos “gordura acumulada”. Mas, pode existir um senão: um novo estudo sugere que, correr muito pode realmente levar à morte precoce. Investigadores norte-americanos descobriram que, as pessoas com maior longevidade são aqueles que, fazem exercício físico de forma moderada. Isso é, duas ou três horas durante a semana.

Por outro lado, a investigação demonstrou também que, tal como quem corre muito, também quem não corre têm uma expectativa de vida mais curta. Os cientistas não têm certezas quanto às causas subjacentes a estes resultados, mas afirmam não estar relacionada com a saúde do coração. O Cardiovascular Research Institute at the Lehigh Valley Health Network, na Pensilvânia, estudou mais de 3.800 casos (homens e mulheres, com a média de idade nos 46 anos). Quase 70% dos participantes disseram que corriam pelo menos 32 km por semana.

O estudo teve em conta a medicação que as pessoas tomavam, se tinham a tensão arterial alta, colesterol elevado, ou antecedentes de tabagismo. Descobriram que nenhum desses factores poderia ser usado para explicar os resultados a que chegaram, ou seja quanto mais corridas, menor tempo de vida.

Dr. James O´Keefe, um dos envolvidos no processo de estudos, afirmou que o desgaste causado pela corrida nos corpos das pessoas seria uma causa evidente para gerar o problema.
Mas, não precisa ou deve deixar de correr, o mesmo Dr. James aconselha aos praticantes correrem cerca de duas horas e meia por semana, em um ritmo moderado.

Espreite a última edição da nossa revista

Há mais de 50 páginas que ainda não conhece - clique abaixo