A personalidade pode afectar tanto as variáveis de desempenho, quanto os níveis de participação, mas não está claro se a personalidade afecta o envolvimento na actividade física ou se é a prática desportiva que influência a personalidade. Existe inclusive quem acredite  na possibilidade da personalidade predizer o sucesso desportivo. Outros há que revelam que não existe um padrão consistente entre as dimensões da personalidade e o rendimento desportivo, uma vez que esta relação parece ser incompatível, dada a possibilidade de ocorrerem situações adversas e factores externos que o podem influenciar. Por outro lado, o desempenho desportivo é um processo complexo e dinâmico em que, por exemplo, um único momento de má sorte, uma má decisão do atleta ou um acontecimento inesperado pode alterar o resultado de uma competição de forma dramática. Assim, qualquer tentativa de relacionar a personalidade com o rendimento desportivo global , poderá ser considerado um esforço um pouco irrealista.

Como é perceptivel o tema é controverso. O que existe é já um vasto conjunto de estudos que se dedicaram à análise dos perfis psicologicos dos atletas de futebol. Apresentamos abaixo, as conclusões de um desses estudos (“ANÁLISE DE PERFIS DE PERSONALIDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL” de Sónia Costa e Colegas, 2016)

A amostra foi constituída por 170 atletas, do género masculino da modalidade de futebol cuja média de idade se situou nos 18,50 anos, com um mínimo de 13 e um máximo de 33 anos

Guarda-Redes – Evidenciaram um nível médio alto (38,9%) e alto (38,9%) de extroversão, nível médio alto (38,9%) de amabilidade, nível médio alto (50,0%) de conscienciosidade, nível médio baixo (61,1%) de estabilidade emocional e de abertura a novas experiências;

Defesa Central: Revelaram um nível médio alto (32,1%) e alto (38,9%) de extroversão, nível médio alto (46,4%) de amabilidade, nível médio alto (42,9%) de conscienciosidade, nível médio alto (46,4%) de estabilidade emocional, e nível médio baixo (39,3%) de abertura a novas experiências;

Defesa Lateral: Evidenciaram um nível médio alto (46,2%) de extroversão, nível médio alto (65,4%) de amabilidade, nível médio alto (50,5%) de conscienciosidade, nível médio alto (38,5%) de estabilidade emocional, e nível médio baixo (38,5%) de abertura a novas experiências;

Médio Centro: Caracterizaram-se por um nível médio alto (34,8%) de extroversão, nível médio alto (50,0%) de amabilidade, nível médio alto (58,7%) de conscienciosidade, nível médio baixo (50,0%) de estabilidade emocional, e nível médio alto (47,8%) de abertura a novas experiências;

Médio Ala: Revelaram um nível alto (43,3%) de extroversão, nível alto (36,7%) de amabilidade, nível médio alto (40,0%) de conscienciosidade, nível médio baixo (36,7%) de estabilidade emocional e nível alto (40,0%) de abertura a novas experiências;

Ponta de Lança: Apresentaram um nível médio baixo (36,4%) de extroversão, nível médio alto (36,4%) de amabilidade, nível médio alto (40,9%) de conscienciosidade, nível médio baixo (54,5%) de estabilidade emocional, nível baixo (45,5%) de abertura a novas experiências

Espreite a última edição da nossa revista

Há mais de 50 páginas que ainda não conhece - clique abaixo